quarta-feira, 25 de maio de 2011

Bancada religiosa na Câmara quer a demissão do ministro da educação

Os deputados evangélicos e católicos querem a renúncia ou a demissão do ministro da Educação, Fernando Haddad por causa do kit anti-homofobia do MEC.


Reunidos no final da tarde desta terça-feira, a bancada de evangélicos e católicos da Câmara defenderam a renúncia ou a demissão do ministro da Educação, Fernando Haddad. Os religiosos estão revoltados e acusam Haddad de ter descumprido a palavra a respeito da discussão sobre o material de combate à homofobia nas escolas.

Na semana passada, Haddad reuniu-se com essa bancada , na Câmara, e afirmou que desconhecia o material (três vídeos e material impresso), mas aceitou a indicação de parlamentares desse grupo para participar da discussão sobre esse tipo de material.

No final de semana, o ministro afirmou que teve acesso a esse material e que não entendeu haver os problemas apontados pelos religiosos , que o considerou uma apologia ao homossexualismo e que, ao contrário de seu propósito, estimulava a homofobia. Evangélicos e católicos afirmaram-se que se sentiram traídos e querem a demissão de Haddad.

O líder do PR, Lincoln Portela (MG), da base do governo, apresentou a proposta da demissão, aplaudido pelos 35 parlamentares desse grupo que estava reunido.

- Nossa paciência chegou ao fim com esse ministro. Nós representamos 50 milhões de brasileiros. Não o queremos no ministério. As pessoas só nos amam de duas maneiras: ou nos respeitam ou nos amam - disse Lincoln Portela.

O deputado Garotinho (PSB-RJ), evangélico, chegou a defender a convocação do ministro da Casa Civil, Antonio Palocci, como uma forma de atingir Haddad.

- Estamos dando fôlego a esse governo. Nossa decisão precisa ser política. Se eles querem salvar o Palocci, nós queremos salvar a família brasileira. Vamos trazer o ministro e ir a Dilma e exigir que demita o Haddad - disse Garotinho.

Lincoln Portela foi contra a convocação de Palocci e defendeu o ministro no caso do aumento de seu patrimônio a partir de consultorias quando era deputado.

Presente na reunião, o senador Magno Malta (PR-ES), evangélico, ameaçou abandonar a base do governo.

- Se tiver que esticar a corda, vamos esticar. Se tiver que votar contra o governo ou deixar a base, vamos assim decidir. . Esses filmes do Ministério da Educação mostram uma verdadeira academia de homossexuais. Vou fazer um discurso contra o Haddad. Vou bater para sangrar - disse Malta.

Governo quer amenizar insatisfação da bancada evangélica com 'kit gay'

O ministro Gilberto Carvalho (Secretaria Geral) se reuniu hoje com a bancada evangélica da Câmara para tentar amenizar as críticas do grupo contra o Ministério da Educação, por causa do kit anti-homofobia.

Na terça-feira, os deputados evangélicos chegaram a ameaçar o governo com obstrução da pauta, uma CPI para investigar o MEC e colaborar com assinaturas para a convocação do ministro Antonio Palocci (Casa Civil) na Câmara para explicar sua evolução patrimonial.

Segundo o deputado Anthony Garotinho (PR-RJ), que ontem chegou a pedir em plenário a demissão do ministro da Educação, Fernando Haddad, os vídeos e uma cartilha anti-homofobia que circulou pela internet --e pelos quais o MEC não admite autoria-- são um estímulo ao homossexualismo.

"Mostramos ao ministro Gilberto Carvalho que é virulenta a maneira como o material está sendo aplicado", disse o ex-governador do Rio.

Segundo os parlamentares, Carvalho prometeu que o governo irá suspender qualquer distribuição de kits e cartilhas para ouvir as frentes parlamentares evangélica, católica e de defesa da família do Congresso.

Fonte: O Globo e Folha Online

Nenhum comentário:

Postar um comentário