quinta-feira, 6 de outubro de 2011

Sobrinha de Estevam Hernandes estaria por trás das denúncias contra Zé Bruno

Sem dar prazos, governador de SP afirmou que dará andamento às investigações sobre participação de deputado em susposto esquema de venda de emendas

O jornal O Estado de São Paulo divulgou nesta quarta-feira novas denúncias contra o ex-bispo da Renascer, José Antônio Bruno, que atuou como deputado estadual entre 2006 e 2010.

Uma testemunha afirmava que Zé Bruno recebia 30% de comissão por cada emenda aprovada a pedido dos prefeitos.

A depoente se identifica como ex-assessora parlamentar de Zé Bruno e diz também que repassou para ele um envelope com dinheiro entregue por uma “prefeita gordinha”.

“A comissão era paga normalmente em espécie, o dinheiro era acondicionado em envelopes ou enrolado em elástico”, afirmou a nova testemunha.

Essa ex-assessora também diz “algumas vezes” o dinheiro também era depositado em contas bancárias de dois bispos que agora são pastores da igreja fundada por Zé Bruno, A Casa da Rocha e um deles seria sócio da empresa Iktus Comércio Ltda, que administra os negócios e contratos da banda Resgate.

“Houve uma oportunidade em que uma prefeita (cujo nome disse não se recordar) chegou ao gabinete e perguntou por Fabrício e pelo deputado, ambos não se encontravam. A prefeita pediu que eu entregasse ao deputado um envelope, o qual continha valor em dinheiro, cujo montante eu não contei.”

Zé Bruno conta detalhes sobre as denúncias

Mais uma vez o pastor Zé Bruno enviou um comunicado a imprensa para se explicar sobre as novas denúncias. A primeira foi feita por bispo da Renascer que foi demitido por não comparecer ao expediente. A nova testemunha seria sobrinha do casal Hernandes e estaria agindo com o intuito de manchar a imagem do ex-bispo.

A nota explica o motivo da então assessora ter sido exonerada. “[Ela] Foi exonerada de meu gabinete porque depois de minha saída da Renascer, Fabiana quis trabalhar com a tia [bispa Sônia] e receber pelo gabinete, expliquei a ela que este procedimento não seria feito em meu gabinete. Os filhos do casal Hernandes na época eram investigados por terem sido funcionários fantasma durante o mandato do Bp. Geraldo Tenuta, presidente da Igreja. Eu não aceitaria tal coisa.”

Sobre a suposta “prefeita gordinha” que entregou envelope com dinheiro o ex-bispo questiona a falta de identidade. “Sua área de trabalho era a recepção na entrada do gabinete. Havia um caderno de visitas e entrada de pessoas com nome, cidade e e-mail. A mim me espanta uma prefeita entrar num gabinete, sem ter sequer seu nome anotado, afinal de contas é uma prefeita.”

O texto de resposta também aponta que a empresa Iktus está inativa e que não tem conta bancária em movimento. “A Iktus é a Banda Resgate. Não tem conta bancária nem movimento, ainda não a utilizamos. Não tenho funcionários na empresa, somos sócios como integrantes da Banda.”

Zé Bruno encerra o texto dizendo mais uma vez que tais denúncias estão sendo articuladas pela cúpula da Renascer com a intenção de denegrirem sua imagem.

Leia a nota na íntegra:

“Mais uma vez meu nome foi citado em uma matéria de Jornal. Segundo a matéria uma ex-assessora teria recebido em meu gabinete um envelope de uma Prefeita “Gordinha”, a mim endereçado com dinheiro. Apenas hoje tive acesso à denúncia feita na Corregedoria.
Depois do Bispo Carlinhos, que é integrante da direção da Igreja Renascer, agora vem o esclarecimento da matéria de hoje:

1) A assessora em questão é Fabiana da Silva Henrique que após se casar com o sobrinho do casal Hernandes, Eduardo, recebeu o sobrenome Hernandes. É hoje assessora direta de sua tia Bispa Sônia. Foi exonerada de meu gabinete porque depois de minha saída da Renascer, Fabiana quis trabalhar com a tia e receber pelo gabinete, expliquei a ela que este procedimento não seria feito em meu gabinete. Os filhos do casal Hernandes na época eram investigados por terem sido funcionários fantasma durante o mandato do Bp Geraldo Tenuta, presidente da Igreja. Eu não aceitaria tal coisa. Em seu twitter hoje se autodenomina “filha” do casal Hernandes.

2) Sua área de trabalho era a recepção na entrada do gabinete. Havia um caderno de visitas e entrada de pessoas com nome, cidade e e-mail. A mim me espanta uma prefeita entrar num gabinete, sem ter sequer seu nome anotado, afinal de contas é uma prefeita.

3) Iktus é uma empresa inativa. A Iktus é a Banda Resgate. Não tem conta bancária nem movimento, ainda não a utilizamos. Não tenho funcionários na empresa, somos sócios como integrantes da Banda. A denunciante não sabe dizer quais são os dois Bispos que receberam depósitos?

4) Por último me espanta mais uma vez, como ela alega, que tal fato tenha acontecido com tamanha exposição, e esses dois ex-assessores com relacionamento tão próximo ao casal Hernandes, guardarem por 2 anos, de 2009 a 2011, tal denúncia.

Isso me faz suspeitar ainda mais que tais denúncias são orquestradas pela cúpula da Igreja Renascer. Está evidente a clara intenção de denegrir a minha imagem. Volto a afirmar que nunca recebi tais valores, volto ainda a frisar que as providências das ações judiciais para reparação de danos a mim causados já estão em andamento. Tais resultados serão divulgados no momento oportuno.



Corregedoria encaminhará caso de Zé Bruno ao MP, diz Alckmin

O governador de São Paulo, Geraldo Alckmin (PSDB), informou nesta quarta-feira, 5, que a Corregedoria Geral da Administração (CGA) encaminhará ao Ministério Público as conclusões da investigação sobre suposto esquema de recebimento de propina envolvendo o ex-deputado estadual José Antonio Bruno (DEM). Uma testemunha afirmou à corregedoria ter presenciado pagamento de propina em troca de emendas parlamentares no gabinete do então deputado, conhecido como Zé Bruno, na Assembleia Legislativa. O caso teria origem no suposto esquema de venda de emendas parlamentares que foi denunciado pelo deputado Roque Barbiere (PTB), revelado pelo Estado.

"O caso do ex-deputado José Bruno já está sendo averiguado pela Corregedoria do Estado antes da convocação do deputado Roque Barbiere", afirmou. "O caso está sendo averiguado com rapidez e rigor e será encaminhado ao Ministério Público", disse o governador, sem dar um prazo para a conclusão das investigações. O deputado nega as acusações.

Alckmin participou nesta quarta da solenidade de entrega de 21 veículos à Polícia Militar Rodoviária para o patrulhamento do trecho Sul do Rodoanel Mário Covas. No evento, voltou a cobrar de Barbiere que aponte "aquilo que sabe". Nessa terça-feira, 4, o parlamentar comparou a atividade da Assembleia Legislativa à de um camelódromo e alegou que teria alertado o secretário de Planejamento, Emanuel Fernandes, e a subsecretária de Assuntos Parlamentares da Casa Civil, identificada como "delegada Rose", sobre possíveis irregularidades na destinação das verbas liberadas por emendas.

"Ele não citou um caso para ninguém. Pode entrevistar a delegada Rose ou o secretário Emanuel Fernandes", disse Alckmin. "E eu entendo que ele (Barbiere) tem o dever, como homem público, de apontar o que sabe."

O governador reafirmou que as informações sobre as emendas liberadas já foram publicadas na internet. "E tudo está transparente", garantiu.

'É estranho'

O ex-deputado Zé Bruno afirma que nunca vendeu emendas e afirmou achar "estranho" o fato de seus ex-assessores relatarem o caso somente após o fim do mandato. Zé Bruno atribui as acusações a pessoas ligadas a uma igreja a que pertenceu por 17 anos.

Fonte: Gospel Prime e Estadão

Nenhum comentário:

Postar um comentário