quinta-feira, 29 de julho de 2010

Dia do “Queime um Alcorão” é decretado em Igreja nos EUA

A controversa Igreja da Flórida conhecida por condenar publicamente o que considera os planos pecaminosos, para queimar cópias do livro sagrado do Islã no próximo aniversário do ataque terrorista de 11 de setembro.

A organização não-denominacional Dove World Outreach Center, que, no passado, se juntou ao extremista Westboro Baptist Church, em protesto a homossexualidade, está organizando o “Dia Internacional do Queime um Alcorão” para se opor ao Islã, que vê como uma “religião violenta e opressiva.”

“Só fiz isso porque nós sentimos que é preciso haver um clamor contra o Islã, porque o Islã está se apresentando como uma religião de paz,” explicou o Dr. Terry Jones, pastor sênior da Dove World Outreach Center, ao The Christian Post, na terça-feira.

“Nós vemos os efeitos do Islã na Europa. Como eles não tem feito nada, o Islã está começando a assumir o controle lá,” acrescentou.

Os participantes do plano de queima para “iluminar” o Alcorão tem o objetivo de, na propriedade da Igreja, lembrar as vítimas do 11/9 e “levantar-se contra o mal do Islã,” segundo o Facebook do grupo.

O Conselho de Relações Americano-Islamita (CAIR), o maior grupo jurídico da nação Muçulmana, reagiu à notícia do “Dia Internacional do Queime um Alcorão,” anunciando o jantar educacional “Compartilhe o Alcorão” em 11 de setembro, que cai durante o Ramadã.

“Muçulmanos Norte-americanos e outras pessoas de consciência devem apoiar os esforços positivos de ensino para evitar a propagação da islamofobia,” ressaltou Ibrahim Hooper, diretor de comunicação nacional da CAIR.

No ano passado, em Gainesville, Flórida, com base no Dove World Outreach Center colocou um sinal sobre a sua propriedade que dizia “O Islã é do diabo.” Não surpreendentemente, o sinal provocou um tumulto no bairro, com residentes chamando o sinal de ódio. Jones disse que havia ameaças de incendiar a Igreja e ameaças de morte contra os líderes da Igreja como um resultado.

Quando perguntado se ele já participou de diálogos inter-religiosos, Jones disse: “claro” e disse que tem conversado com o diretor CAIR em Tampa, Flórida. Ele também disse que convidou os Muçulmanos para virem ao evento de queima do Alcorão em 11/09, dispostos a dialogar com eles durante a atividade.

Jones enfatiza que sua Igreja não irá apenas falar sobre o Islã, mas também sobre a homossexualidade, o casamento homossexual e o aborto.

Para os críticos cristãos que dizem que o evento de não queimar o Alcorão é a maneira de demonstrar amor cristão para com os Muçulmanos, a resposta de Jones é que eles devem parar de criticar e encontrar outra maneira de aumentar a conscientização sobre o Islã ou a compartilhar o Evangelho.

“A maioria das pessoas que criticam são também as pessoas que não fazem nada,” disse Jones. “Se eles não gostam de nosso método – eles não tem que gostar de nosso método, eles não terão de adotar o nosso método – então eles mesmos deveriam fazer algo também,” disse ele, propondo que vão de porta em porta para distribuir literatura cristã sobre o amor de Jesus.

Uma pesquisa divulgada pela LifeWay Research, em abril, concluiu que 42 por cento dos pastores protestantes acreditam que o Islã “promove a violência,” e mais da metade concorda com a declaração conhecido evangelista Franklin Graham, que disse que o Islã é uma religião “do mal.”

Pastores das denominações gerais, a pesquisa interpretou, eram mais propensos a manter uma visão positiva do Islã.

Apesar de seus pontos de vista sobre o Islã, no entanto, seis em dez pastores concordam que o Cristianismo e o Islamismo devem tentar co-existir nos Estados Unidos.

“Nós não devemos dizer que os pastores protestantes são uniformes na sua opinião, e de modo algum se este estudo mostra que eles pensam que os Muçulmanos são pessoas más, mas mostra preocupações sobre a religião e seu impacto,” comentou Scott McConnell, diretor adjunto do LifeWay Research.

Fonte: The Christian Post

Nenhum comentário:

Postar um comentário